Como aplicar o Growth Hacking no mercado imobiliário

interface
Compartilhar postagem
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

Sumário

Entenda o que é o termo growth hacking e quais as maneiras mais populares de aplicação para um crescimento efetivo no mercado imobiliário

É comum ouvir entre empreendedores o termo em inglês “growth hacking”. Com um significado bem distante do que estamos acostumados a relacionar com a palavra hacker, esse termo em específico se trata de uma estratégia que busca o crescimento mercadológico através de “macetes” e novos métodos.

Muito utilizado dentro do empreendedorismo e das estratégias de marketing digital, o growth hacking simboliza a busca por mais visitantes nos sites, a conversão desses visitantes em leads, ou seja, potenciais clientes, e logo em seguida, gerar clientes efetivos.

O que muitos não sabem é que o growth hacking também pode ser utilizado no mercado imobiliário. Com a internet cada vez atuando mais como aliada dos corretores, estratégias de marketing nunca foram tão utilizadas no cotidiano dos corretores e das imobiliárias. Vender apartamentos em Vitória é um processo que, atualmente, passa por avaliações na internet e nas redes sociais e, por isso, o growth hacking é tão útil.

O que é, de fato, Growth Hacking?

O criador do growth hacking, o estadunidense Sean Ellis, explica que a prática trata-se de uma modalidade do marketing focada em testes e experimentos. No caso, a estratégia é basicamente formular hipóteses, testá-las em baixa escala e verificar o resultado.

De uma maneira geral, as estratégias de growth hacking tem três elementos: ter a ideia de como adquirir mais visitantes, criar um serviço ou um produto que harmonize com o grupo desejado e pensar em jeitos de atrair o maior número de pessoas e gastar o mínimo para isso e, por fim, focar em um processo que funcione de maneira automática, que sempre traga clientes novos e, preferencialmente, a um baixo custo.

Os resultados são medidos com Key Performance Indicators, os indicadores-chave de performance, KPIs, que envolvem leads, clientes e geração de tráfego, de acordo com a priorização.

Como funcionam as estratégias no Growth Hacking?

O funcionamento do growth hacking varia de acordo com o objetivo da marca. Isso porque quanto mais claro e fácil de mensurar esse objetivo for, melhor será o funcionamento da estratégia. Dependendo do objetivo, a hipótese para atrair clientes é criada e, a partir dela, são criados os experimentos para sua validação através de ferramentas que automatizam a testagem

Para que isso aconteça, o funil de vendas da marca deve ser bem estudado. Uma estratégia de growth hacking pode atuar em qualquer parte do funil, mas normalmente se concentra no topo, ou seja, no visitante. Isso porque quanto mais gente entrar no funil, proporcionalmente, mais gente chegará ao final dele.

Como utilizar o Growth Hacking no mercado imobiliário?

A aplicação do growth hacking no mercado imobiliário necessita, primeiramente, da definição de uma persona, ou seja: saber exatamente quem é o seu cliente e personificá-lo. O ideal é que seja uma persona completa, com nome, idade, profissão, gostos e preferências. Com isso, já é possível pensar no problema a ser resolvido, ou seja, o objetivo.

O próximo passo é listar diversas soluções que seriam úteis e depois avaliar quais são mais viáveis, até definir alguns experimentos. É importante ter em mente que, para que seja growth hacking, o processo deve permitir repetição e mensuração, isto é, não pode ser algo manual e feito aos poucos. O ideal é que seja uma solução sistêmica.

O marketing de conteúdo é um exemplo muito utilizado. Supondo que o objetivo seja contatar o público e transformar visitantes em leads, as estratégias podem girar em torno de conteúdos e e-mail marketing que considerem técnicas de SEO e, assim, aumentem o tráfego de modo orgânico com as palavras-chave, ou disponibilização de materiais como e-books mediante o preenchimento de um formulário.

Outro exemplo é a aplicação estratégica de CTAs, as “call-to-action”, que direcionam o usuário a fazer algo, como por exemplo, preencher um formulário com os dados de contato, ou clicar em promoções ou links que levem para determinadas páginas. Existem muitas formas de implementar CTAs de forma estratégica, como usar cores diferentes e botões chamativos.

Os gatilhos mentais são mais um exemplo muito usado nas técnicas de vendas. Isso porque são utilizados em diversas fases da comunicação com os visitantes e os leads, o que ajuda a fazer com que se tornem clientes e avancem no funil de vendas.

Ferramentas para testar Growth Hacking

Para que os experimentos sejam validados, é importante saber como e onde testá-los. Existem ferramentas importantes que auxiliam nos resultados:

  • Disparar e-mails: Mailchimp, RD Station.
  • Analisar de redes sociais: Hootsuite, Facebook Insights
  • Pesquisar SEO e palavras-chave: Google Search Console, SEMRush, Answer the Public.
  • Avaliar métricas: Google Analytics.
  • Melhorar taxa de conversão: Google Website Optimizer.

O famoso teste de marketing digital A/B é feito ao enviar um conteúdo com uma única variável distinta para dois grupos, como por exemplo, o local em que está situado um botão ou um título diferente. Com as ferramentas listadas, é possível comparar a performance e decidir qual ideia teve melhor desempenho.

Aqui vai o nosso CTA: Assine a nossa Newsletter para receber mais dicas como essas e ainda outras exclusivas para assinantes!

CONTINUE LENDO
Postagens Relacionadas